Neotrentino lança tecnologia inovadora através do plasma frio para tratamento de efluentes líquidos. Foto Divulgação

Neotrentino lança tecnologia inovadora através do plasma frio para tratamento de efluentes líquidos. Foto Divulgação

O neotrentino Bruno Mena se preocupa com o meio ambiente desde quando guri em Nova Trento, vendo, sem saber o que fazer, a mortandade de peixes no rio do Braço, provocada pelo despejo de produtos químicos. Sempre estudando em escolas públicas, vive agora uma história de sonho, como dono da empresa Wier, fabricante de purificadores. Em pouco tempo, seu produto foi premiado e certificado internacionalmente, com validade para toda a União Europeia. Em poucos meses, vendeu mais de 550 unidades e já contratou 17 funcionários.

Uma história de sonho e dedicação aliada ao meio ambiente que começou em 2011, quando a Wier surgiu. Mas foi a partir de 2014 que todo o projeto dos purificadores saiu do papel e ganhou o mercado. Nos cinco anos anteriores, Bruno estudou muito, até graduar-se em Química, em 2010, pela Universidade Federal de Santa Catarina, com habilitações em bacharelado, licenciatura e tecnológica.

Mas não parou aí. Na mesma UFSC concluiu mestrado em Química e engatou um MBA com foco em Engenharia Sanitária e Ambiental, concluído em 2014. Queria mais: neste ano tornou-se doutor em Química, também na UFSC, com parte do doutorado feito na Università degli Studi Padova, na Itália. Trata-se da oitava universidade mais antiga do mundo, onde Galileu Galilei, Nicolau Copérnico e outros famosos lecionaram.

Uma ideia de negócio com consciência ambiental

wier-ozyplusA ideia de montar um negócio surgiu quando Bruno ainda estava na graduação. “Eu entrei na faculdade já querendo ter uma empresa. Eu não sabia ao certo o que faria, mas já sabia que tinha que estar ligada ao meio ambiente, porque via nesta área um potencial muito grande de negócio, pois a consciência ambiental estava crescendo no mundo todo e já se falava em reaproveitamento e reuso de água, problemas com a poluição ambiental e contaminação de rios”.

Percebendo que a legislação começava a ficar mais rígida, assim como a consciência ambiental em todo o mundo, Bruno acreditava que logo o Brasil também seria um bom mercado para isso, de modo que equipamentos que facilitassem e melhorassem as condições de ambientes, lagos e rios, teriam um bom mercado.

Ele tinha tristes lembranças de quando era criança. Em Nova Trento, o rio do Braço, que passa perto de sua casa, mudava de cor devido a descarga de efluentes químicos tóxicos que empresas do setor têxtil lançavam nele, causando também a mortandade de peixes. Ao ingressar na faculdade de Química, integrou-se a um grupo que fazia pesquisas com plasma e foi assim que começou a desenvolver a tecnologia de plasma frio. Começou do zero. Com o tempo, resultados interessantes foram surgindo, levando-o a congressos, artigos científicos e a certeza do potencial da tecnologia de plasma frio usada no tratamento de efluentes líquidos.

Assim continuou seu trabalho, participando do programa Sinapse da Inovação para, então, abrir a empresa. Como conseguiu resultados imediatos, a Wier logo recebeu inventivos financeiros diversos para se desenvolver e chegou ao ápice como finalista no Prêmio EDP Inovação 2020. Atualmente, a Wier está incubada em um dos maiores Centros de Tecnologia do Brasil, o Parque Alfa, da Fundação Certi, em Florianópolis.

Em agosto passado a Wier tornou-se empresa certificada pelo instituto ITEL, de Barcelona (Espanha), para a higienização e desodorização de ambientes. O certificado é válido para toda a União Europeia e países relacionados, como o Brasil

Empresa preocupada com o futuro do planeta

A Wier desenvolve e comercializa soluções para tratamento de efluentes líquidos e purificação de ambientes. Com uso da tecnologia limpa de plasma frio, os purificadores não requerem o uso de produtos químicos para a sanitização de ambientes ou para o tratamento de efluentes líquidos, além de não deixarem resíduos.

Os purificadores estão em duas linhas. Uma destina-se à sanitização de ambientes eliminando todo e qualquer odor desagradável (cigarro, animais, comida), micro-organismos presentes no ambiente (vírus, bactérias, fungos, protozoários), além de mofo e ácaros. Já são utilizados com sucesso no setor de hotelaria, em bares, restaurantes, academias, pet shops, auditórios, cinemas, hospitais, entre outros. Totalmente automatizados, são ligados para fazer o trabalho e programadas para desligar.

Outra é dirigida à purificação de ambientes líquidos, como higienização e desinfecção de locais com água, como piscinas, tanques e aquários. Também eliminam matéria orgânica e cor presente em efluentes da indústria têxtil, de papel e celulose, da indústria farmacêutica e agroindústria, por exemplo. Ademais, são eficientes na desinfecção de alimentos como carnes, peixes, frutas e verduras. Substituem produtos químicos e desinfetantes como o cloro.

O plasma é considerado como o quarto estado da matéria, depois do sólido, líquido e gás. É um meio quimicamente ativo formado por descargas elétricas de alta tensão, radicais livres, moléculas oxidantes, radiação ultravioleta e elétrons de alta energia, entre outras espécies químicas altamente reativas. Quando aplicado no tratamento de efluentes líquidos, é capaz de degradar compostos orgânicos, promovendo um real tratamento, uma vez que não ocorre a geração de resíduos secundários, como o lodo.

Mena tem convencido os consumidores quanto a qualidade e performance de seu produto mostrando que ter um aparelho Wier no escritório, casa, negócio, se pode evitar uma série de doenças e contaminações. Enfim, prático, eficiente e ecologicamente correto, pois a empresa tem como lema e missão de prover sustentabilidade ao meio ambiente.