A Secretaria Municipal de Saúde espera concluir nas próximas semanas um consultório de audiometria, no piso térreo da Unidade de Saúde Santa Paulina, para oferecer o mais novo serviço de saúde à comunidade, o primeiro no Vale do Rio Tijucas e o único dentre os 22 municípios da região da Grande Florianópolis, pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Já começaram a ser instalados no consultório todos os equipamentos necessários para fazer exames audiométricos, dentre eles uma cabine à prova de som, onde ficam os pacientes durante o exame. À sua frente, no lado de fora, separado por um vidro transparente, fica o audiômetro, que faz a avaliação subjetiva da audição e, a partir disso, dá os diferentes encaminhamentos ao paciente, conforme o diagnóstico.

Outro equipamento faz a imitanciometria, que avalia as condições da orelha, complementando a audiometria e finalizando o diagnóstico. Outros equipamentos complementares ajudam a fazer o  processamento auditivo central, em que se detecta os diferentes sinais dados pelo cérebro para que a pessoa possa ju não ouvir. Feitos todos estes exames os pacientes são enviados para hospitais ou clinicas, conforme os casos.

Em Nova Trento, segundo dados da Secretaria da Saúde, uma média entre cinco e 10 pacientes são enviados mensalmente para hospitais e clinicas de outras cidades, depois de buscarem ajuda para problemas auditivos nas unidades locais de saúde. Há casos de até um ano de espera para fazer um processamento auditivo, que na rede privada de saúde custa entre R$ 400 a R$ 450. Uma audiometria e uma imitanciometria custam de R$ 150 a R$ 200.


Há casos de até um ano de espera para fazer um processamento auditivo, que na rede privada de saúde custa entre R$ 400 a R$ 450.

Só há poucos dias que a avaliação do processamento auditivo central passou a ser oferecida pelo SUS e o consultório de Nova Trento é o primeiro dentre os 22 municípios da Grande Florianópolis a oferece-lo de forma gratuita.

Foto: Divulgação

Atendimento será duas vezes por mês

Assim que o consultório estiver montado e totalmente equipado a Secretaria Municipal de Saúde vai autorizar o início do atendimento, que será feito duas vezes por mês, mas, conforme for a demanda, poderá ser ampliado.

A prioridade será atender pacientes de Nova Trento. Esses deverão seguir alguns encaminhamentos básicos, como, primeiramente, passar por uma avaliação da fonoaudióloga responsável pelo atendimento e serviço, Larissa Nunes Scapini, na Unidade Central de Saúde, ou quando for encaminha por médicos ou enfermeiros que atuam no sistema municipal de saúde.


Conforme a fonoaudióloga, os atendimentos deverão se concentrar principalmente em crianças e idosos, embora, excepcionalmente, possam se apresentar pessoas de outras faixas etárias.

Nas crianças que tem atraso ou dificuldades na linguagem e fala, por exemplo, é possível que a causa seja auditiva. Esta é uma das  mais comuns. Nos idosos, explica a fonoaudióloga, a idade faz com que naturalmente se perca a audição, em maior ou menor grau, como decorrência de diferentes fatores, como a constante exposição a ruídos, dentre outros.